Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem não conhecia, saiam enquanto é tempo...Para quem já conheceu, puxem duma cadeira...Vem aí a versão 2.0...

Liebster Award

18277479_15ca4.png

A minha cara leitora Maria  decidiu nomear-me para este singelo desafio.

Aparentemente, isto consiste em mencionar 11 factos (ainda bem que não sigo o acordo ortográfico, não teria fatos suficientes no armário) e responder a 11 pequenas questões.

Ok, simple enough.

 

11 factos:

 

- Não tenho mau feitio. Tenho é convicções férreas. Ok, e mau feitio também.

- Detentor de uma invulgar capacidade de incontinência verbal e ao mesmo tempo, com uma perfeita noção de que por vezes não vale a pena gastar latim. Por alguma razão, é uma língua morta.

- Fumador convicto, alcoólico pouco anónimo e muito recentemente promovido a Quinto Cavaleiro do Apocalipse dadas as aulas de equitação.

- Adepto da boa cozinha (a minha, principalmente), adepto de bons vinhos (os que tenho na minha garrafeira) e adepto da corrida (pelo menos até desmaiar de cansaço, de desidratação, de levar com um carro de frente e ser projectado oito metros para trás...).

- Alimento um ódio visceral pela Margarida Rebelo Pinto. Não sei se é o penteado, a futilidade, a inércia enquanto escritora, as críticas sagazes dela acerca das mulheres anafadas ou simplesmente um pouco de tudo. Pessoalmente, acho que foi amor à primeira vista. Amo odiar a sacana da mulher. Aliás, quero que o meu obituário seja escrito por ela. Ou se calhar não...

- A escrita faz parte de mim, de quem eu sou. Sem ela, a minha vida não tinha a piada que tem e o meu portátil tinha muito mais espaço livre.

- Excelente ouvido musical. Consigo discernir Mozart de Black Sabath em cerca de 3 minutos. Ok, talvez 5 minutos. Não exageremos...

- Possuidor de uma excelente noção de sarcasmo, ironia de fino recorte e um palato deveras apurado no que a cafeína diz respeito. Não que nenhuma das três coisas tenham a ver umas com as outras mas isso é apenas um pormenor.

- Defensor extremista de tudo o que resume o Alentejo. Quem conhece, sabe do que falo. Quem não conhece, vocês não merecem o ar que respiram. Vão comer umas migas de espargos a Évora, beber uns tintos em Borba, ver o céu estrelado em Monsaraz e apanhar umas banhocas de água gelada na Zambujeira e depois a gente fala.

- Sentido de humor altamente sexual. Portanto, se ficam escandalizados com duplos sentidos e metáforas de fazer corar casinhas caiadas de branco na Amareleja, não sou mesmo a vossa praia e vocês estão no sítio errado.

- E mesmo depois de tudo isto, mesmo assim até tenho bom coração. Quando quero. e para quem quero.

 

Questões:

 

Porque criaste o blog?

Demasiado tempo nas mãos, pouco tabaco em casa, cafeína a bater no zero e uma vontade absurda de ser o próximo Nobel da Literatura. Sim, acho que isso resume tudo.

 

O que achas dos homens que vestem rosa?

Mais ou menos a mesma opinião sobre os homens que vestem azul. Homens. Visto ambas as cores com a mesma naturalidade e não me cai nenhum testículo no processo...

 

Ainda vês desenhos animados?

Todos os dias no trabalho. Trabalho de perto com vários. A diferença é que a estes não acho piada nenhuma...

 

Se tivesses algum tesouro, onde é que o enterrarias?

Os meus tesouros não são bens materiais. São vivências, memórias, sorrisos, momentos, pessoas. E esses, carrego-os todos os dias comigo.

 

O que é que querias ser quando eras criança?

Adulto. Agora que sou um, quem me dera voltar a ser criança. Se soubesse a trabalheira que isto dá, tinha ficado sossegado...

 

Acreditas em fantasmas?

Eu não acreditava mas os anos passam e continuo a ver o Mário Soares e a Paula Bobone a assombrar o pessoal. Nenhum ser humano dura tanto tempo como aqueles dois.

 

O que é que gostarias de ser/ter no futuro?

Paz de espírito. Com isso alcançado, tudo o restante é uma mera questão de tempo.

 

Se pudesses escolher ter um super poder qual seria? E porquê?

Sentido de humor. Ops, já tenho. Não há nada melhor na vida do que a capacidade de rirmos de nós mesmos e conseguir fazer os outros sorrir. Isso bate qualquer visão raio X (embora admita que se um gajo for depravado, isso tem as suas vantagens).

 

Lema de vida/ Frase preferida?

"Abdiquei de citações na minha vida. Quero viver o resto dos meus dias ex-citado."

 

Qual foi o teu primeiro ídolo?

Não sei sequer se idolatrei quem quer que fosse na minha infância. Dartacão, Tom Sawyer? Sei lá...

 

O que mais aprecias numa pessoa?

Duas coisas. Os olhos e o sorriso. Através dos olhos, eu vejo tudo aquilo que quero (queira a pessoa mostrar-me ou não). O sorriso, é simplesmente um guilty pleasure ser capaz de fazê-lo desabrochar.

 

Como sempre, não nomeio quem quer que seja. Quem desejar fazer este desafio, sinta-se nomeado.

As aventuras e desventuras da compra de um livro de Herberto Helder

Comprar um livro de Herberto Helder, sem reserva feita, no primeiro dia de vendas, julgo que será muito similar a invadir a casa da Alexandra Lencastre pela manhã no intuito de ser convidado para o café da manhã. Missão impossível, dirão vocês.

 

Isso do conceito de impossível é muito relativo.

Após muito telefonema, lá consegui o meu exemplar. Travei um diálogo muito interessante com a funcionária da livraria onde me guardaram religiosamente o meu exemplar. Foi-me dito que é uma pena que 60% dos exemplares adquiridos daqui por uma semana estarão à venda no OLX pelo triplo ou mais do seu valor (porque como em livros anteriores, este "Poemas Canhotos" não será alvo de mais edições). Ou seja, isto não é para amantes de poesia. É para capitalistas de meia tigela armados ao pingarelho.

Herberto Helder deve estar a dar voltas na campa por esta altura. Ele não era adepto de que os seus livros perdurassem no tempo. Era desejo dele que a poesia fosse efémera, que tivessem um tempo de vida relativamente curto. Esta é a verdadeira razão das publicações serem alvo de uma edição única.

E o que é que acontece?

Os chacais encontram forma de lucrar com isso, desvirtuando por completo a verdadeira razão..

O meu exemplar irá viver ad eternum junto de muitos outros livros. Não compro para vender. Nem respeito quem o faz.

 

Acordo quê? Ortográfico? Obrigatório? Ah, claro.

Só para que fique bem claro (caso ainda não tenha mencionado isto vezes suficientes)...

Não me podia estar mais a borrifar para este pseudo acordo da treta!

Não traz qualquer vantagem, qualquer mais valia visível, qualquer coisa que seja (para Portugal, claro está).

FACTO!

Lamento imenso pelos meus amigos brasileiros mas o português que utilizo é português português, não português brasileiro.

E já agora, se isto supostamente foi criado para estruturar as mesmas bases linguísticas nos PALOP, porque raio somos os únicos idiotas que EFECTIVAMENTE levaram isto para a frente?

O meu editor de texto pode continuar a sublinhar o que escrevo a vermelho, os meus amigos docentes do Ministério da Educação podem continuar a chatear-me a cabeça, não quero saber.

Lamento, esse não é o português que aprendi, não é o português que escrevo e sem dúvida, nunca será o português que irei utilizar se alguma vez publicar porra alguma. Farei questão de marrar de frente com qualquer chafarica de editora, se me lixarem o juízo.

Dediquem-se mas é à pesca.

Carta aberta ao puto dos Ídolos

Meu caro Alexandre,

Lamentei verdadeiramente saber o que passaste, ainda mais em tão tenra idade. Era dispensável, principalmente em prime time.

No entanto, deixa-me deixar-te uma pequena lição de vida.

Serás sempre sujeito ao olhar reprovador de terceiros, isso nunca conseguirás evitar. Mas as coisas só têm a importância que tu próprio lhes atribuis. Tens orelhas grandes? Pá, acontece. Há pessoas com narizes grandes, outros com dentuças grandes e outros sacanitas com pénis grandes (que aparentemente são os mais afortunados de todos mas não sabem o que fazer com eles). A não ser que ganhes uma pipa de massa daqui por uns anos e te armes em Bibá Pitta e vás à faca de três em três meses para corrigir o tamanho das tuas orelhas, vais ter de lidar com aquilo que Deus te deu.

Ainda hoje falava com uma amiga sobre a tua situação e o que deves estar a passar. A opinião dela foi "coitado...". Já eu disse "obviamente que não desejo a ninguém o que ele passou, mas não tenho pena. Tenho a certeza que ele irá dar a volta por cima e aprender algo com tudo isto. Seja que o ser humano é uma merda ou então que são as nossas imperfeições que nos tornam únicos."

Ok, podes não ter a voz mais afinada. Não te rales, eu estive numa banda durante anos e também não era o rouxinol mais afinado da cooperativa. Tens as orelhas grandes? Deixa lá, as mulheres dizem que o tamanho não importa mas é tudo tanga. :p

Segue os teus sonhos. Se dizem que não consegues, tenta na mesma. Se não conseguires, tentaste.

O que as pessoas dizem é irrelevante. Magoa? Claro. Definem quem tu és? Nem por isso.

Força nisso.

Coisas interessantes que aprendi hoje no café a ouvir uma senhora na mesa ao lado

- É perfeitamente possível pedir uma terceira hipoteca de uma casa. Eu conhecia o conceito de segunda hipoteca, o de uma terceira era para mim um mito. Implicava uma capacidade de descontrole financeiro que era para mim desconhecida.

- É perfeitamente possível uma senhora dever à banca cerca de 36 mil euros em cartões de crédito só porque sim. É muito plástico. E provavelmente muito silicone naquelas mamas e muitas idas à faca também.

- É perfeitamente possível palrar que a vida está má, que se anda a comer latas de salsichas dia sim dia sim, mas quando se deve 36 mil euros a entidades bancárias variadas, muito menu de degustação deve ter passado por aquela goela, muita viagem ao cu do mundo, muita ilusão de viver uma vida para a qual não se tem capacidade monetária para o fazer.

Eis uma pequena lição de vida alentejana que me ensinaram.

Modo de vida alentejano:

- Não há dinheiro, não há palhaços.

- Se há dinheiro, lixa-te para os palhaços. Guarda-o. É capaz de fazer falta.

- Queres ir viajar a Cuba? Há aqui uma no Alentejo. Também é gira.

- Queres boa gastronomia? Bem vindo ao Alentejo. E são porções para gente de barba rija, não para putos cuja barba demora 3 meses a crescer.

Faz-me espécie as pessoas que gastam o que não têm. Que lixam as suas vidas, as vidas dos filhos, and so on and so on pela ilusão de mostrar à vizinhança um carro novo ou outra porra qualquer. Well done. As entidades bancárias agradecem. E o vosso ego miserável também.

Uma caixinha catita que permite pesquisar as entranhas dos últimos anos de posts. Muito útil, principalmente porque nem eu já me lembro de metade do que escrevi...

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Licença

Licença Creative Commons
Este obra para além de estar razoavelmente bem escrita (se assim não fosse, não havia tanta gente a plagiá-la), está também licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D